UOL EleiçõesUOL Eleições

05/09/2006 - 14h23

Íntegra do bate-papo com Pedro Viviani, do PMN

Pedro Viviani, candidato do PMN ao governo do estado de São Paulo, falou sobre suas propostas eleitorais. O texto abaixo reproduz exatamente a maneira como os participantes digitaram suas perguntas e respostas.

(01:20:48) francisco: candidato: eu gostaria de saber qual é posição do PMN em relação a eleição presidencial, uma vez que SP tem forte destaque nacional?...Em 2002 o partido apoiou Lula, hoje não apoia mais?

(01:22:05) Pedro Viviani -PMN: Boa tarde aos ouvintes do UOL e a todos que estão participando do programa. Eu sou natural de Poá, filho de comerciário aposentado do Sesi, tenho 2 filhos, tenho neto. Ao longo de minha vida comecei a trabalhar aos 18 anos de idade, fui engraxate, frentista etc. Sou funcionário público, então a gente prestigia este tipo de coisa. Procuro me dedicar ao máximo àquilo que faço. Não sou um político profissional, mas sim um profissional da política. Embora exerça a atividade de advogado a vida pública ocupa 80% do meu tempo.

(01:24:58) T20Valinhos: O que o senhor acha do Rodo Anel??Pretende implantar algo do gênero no Interior??

(01:26:47) Pedro Viviani -PMN: Francisco: nós do PMN nos definimos como nacionalistas, aqueles que preservam primeiro os interesses da nação. Segundo o estatuto da PMN a origem é nacionalista. Os partidos da social democracia como o PDT tem forte influência da social democracia européia, nós não, nos baseamos no sofrimento dos líderes oprimidos e procuramos estreitar as diferenças que há como pobres e ricos. Tentamos estreitar as diferenças entre aqueles que estão no topo, os muitos ricos, e aqueles que são miseráveis. Achamos que isso é possível por meio da vida pública. Somos um partido progressista, é evidente que estaríamos apoiando o Lula não fosse os acontecimentos dos últimos dois anos. Todos os membros do PMN são orientados a fazer a prática do correto e quando algum companheiro destoa da orientação partidária é automaticamente punido pelo partido.

(01:27:47) Pedro Viviani -PMN: continuando: Não podemos admitir o que aconteceu num mandato progressista. A explicação política é simples, os ideais deles não responderam na prática. Descobrimos que somos muito mais capazes de oferecer muito mais do que foi oferecido.

(01:29:15) Eleitor: Ola... o q pretende fazer a respeito de educação preparatória (profissionalizante)?

(01:29:38) Pedro Viviani -PMN: sobre quem votar para presidente, no momento não tínhamos alguém que pudesse ocupar a candidatura a Presidência da República. Portanto cada candidato esta livre para escolher o seu candidato. A candidata do PSOL é hoje a mais preparada para exercer a Presidência, apesar de não ser uma candidata eleitoralmente viável.

(01:33:24) Pedro Viviani -PMN: O que era José Serra, era secretário do Planejamento de Franco Montoro e virou hoje o que é. Na verdade a minha candidatura da deles não é muito diferente. Nós fazemos política regional e na nossa região temos um prestígio muito grande. A grande problema é o partido deve oferecer um candidato intelectualmente preparado. Os candidatos que já estão na mídia tem um espaço maior, mas temos no partido várias lideranças políticas a governar o Estado, moral e intelectualmente. Se tivermos que escolher de ganhar e mentir para o eleitor preferimos perder as eleições. A eleição se dá em 2 turnos e o eleitor tem que escolher no primeiro o melhor e no segundo terá que escolher o menos pior, sendo que um será o que votou ou não, então o menos pior.

(01:33:52) Suzanense (H): Gostaria de saber qual o principal projeto do senhor para o desenvolvimento da nossa região do "Alto Tietê"

(01:37:21) Srtá.Giovanna: O que será feito...para controlar a situação do PCC?

(01:38:00) Pedro Viviani -PMN: T20Valinhos: A questão do Rodoanel já é uma questão ultrapassada ou seja já deveria estar construído há 20 anos, assim como o lago para controlar as enchentes está atrasado. Vamos concluir esta obra, dando continuidade. O que queremos levar para o eleitor de Valinhos, o governador tem que governar com mão forte, ao morador da grande SP cabe junto com as lideranças políticas fazer as reivindicações que tem, e ao governo do Estado a execução dos projetos exequíveis. É evidente que Valinhos tem as suas reivindicações, mas se forem exequíveis serão realizadas. Montoro dizia a minha grande obra será as pequenas obras. Para os moradores de Valinhos às vezes um centro esportivo é uma grande obra.

(01:38:07) Pedro Viviani -PMN: continuando: Deixo claro que todas as reivindicações que vierem de todas as pequenas e grandes cidades serão analisadas com muito carinho e serão atendidas, investiremos firme na máquina pública, se o município estiver satisfeito o Estado vai bem. Mas não por indicação de deputados, cuja obrigação é estar na Assembléia fiscalizando o orçamento do Estado. Não vamos apadrinhar ninguém em nenhuma cidade. Não importa o partido. Não pretendemos mandar nenhuma matéria antipopular. O governo vai estar realizando as obras que o povo tanto pede.

(01:38:18) joaquim siqueira: o que o senhor pretende fazer com ensino basico de SP??

(01:39:56) Marcelo: Qual projeto e açoes para a segurança em São Paulo.

(01:42:09) Pedro Viviani -PMN: Sobre a educação, a nova proposta trás como meta principal a progressão continuada, e isso tem sido confundido, ela tem por princípio valorizar a individualidade do aluno e respeito ao coletivo. Esta liberdade tem trazido problemas sérios com relação a disciplina. A tradicional é mais rígida e o aluno tinha que aprender mesmo senão seria reprovado. Eu vejo com bom olhos as duas. A nova proposta tem recebido bastante apoio, mas não resolveu os seus problemas que é a evasão escolar e a aprovação. Vejo com bons olhos na nova proposta o respeito ao aluno, a sua individualidade, ao conhecimento que adquiriu. Mas a mescla de um e outro seria o ideal, mais rigidez e a individualidade.

(01:42:58) Lindo e Sedutor: o que o senhor pretende fazer pela educação em sp? o senhor pretendo dar continuidade as fatecs?

(01:46:38) Pedro Viviani -PMN: Não vamos mexer em nenhum recurso que pertença a educação básica a terciária. O problema não é a falta de recursos públicos, mas sim a má gestão destes recursos públicos. Nós não temos grandes investimentos nem pretendemos ter, não vamos prestigiar ninguém, terão que vencer a obra pública com menor preço e com qualidade. Esperamos economizar 30% dos recursos públicos para investir em todas as áreas. É preciso ter firmeza senão a coisa não anda. Com relação as universidades estaduais, no ABC está sendo construído uma universidade estadual. Na verdade está havendo uma disputa que é contraproducente. Os projetos do governo federal e estadual têm que se encaixar. Os investimentos públicos do governo federal têm que ser sistematizados com o governo do Estado, se encaixando. Isso se faz de acordo com a demanda.

(01:47:52) Pedro Viviani -PMN: Com relação aos cursos técnicos, são necessários sim, se vai fazer uma Fatec que se faça pra valer, mas tem que fazer sim. O estudante tem que ter 3 níveis de estudo, de primeiro mundo. Podemos levar a universalização do ensino até a oitava série.

(01:52:27) Guilherme: Você tem alguma proposta relacionada a guerra fiscal do Estado de São Paulo?

(01:53:46) motorista: Sr. Pedro, qual a sua posição quanto aos abusivos preços das praças de pedagio?

(01:56:44) Pedro Viviani -PMN: Marcelo e Giovanna: se lembrarem, há pelo menos 10 ou 15 anos atrás quando houve o problema do Carandiru, a partir dali passou a prevalecer perante a sociedade o respeito a individualidade e ao ser humano, mas hoje temos policiais militares amedrontados quanto a área judicial ou militar. Hoje é necessário mais rigor, a PM e a Polícia Civil não têm mais liberdade, estão desaparelhados. Deve-se dar liberdade aos comandantes das policias para que ajam com firmeza. Os grupos especializados como GOI, Garra, Rota devem ser ativados no sentido de combater novas ações do PCC e investigar delitos já ocorridos, prevenindo as ações para que não ocorram novos fatos. A Rota deve combater as ações do crime organizado porque tem força, equipamento e rigor, mas não digo que não se tem que respeitar os indivíduos. Se os presos forem isolados nos locais denominados seguros aumentará a segurança. Outra coisa, em SP havia o Carandiru que foi implodido pelo governo, mas este mesmo construiu em Belém um CDP. Esta implosão foi uma bravata.

(01:56:49) Pedro Viviani -PMN: continuando: Os de maior periculosidade devem ser destinados as penitenciárias mais longínquas, porque não tem mais esperanças de sair do regime penitenciário e querem tumultuar com as rebeliões. Nos grandes centros podemos abrigar os presos menos perigosos e nos de segurança máxima os mais perigosos.

(01:59:25) Pedro Viviani -PMN: Susanense: a minha postura é a mesma com o resto do Estado. Já fomos muito prejudicados, o governo tem que ser imparcial. As reivindicações tem que ser da sociedade organizada e da parte política. Mas temos que ter bom senso. Estes municípios serão atendidos na mesma forma que os outros do Estado, mas posso afirmar que serão feitas muitas obras por ser um dos municípios mais carentes do Estado.

(02:02:00) Pedro Viviani -PMN: Motorista: já tivemos uma atrito feio num programa de rádio por causa dos pedágios, mas nossa intenção não era ofender ninguém, e sim mostrar que por detrás disso é que saem os financiamentos públicos de campanha. Foi o próprio presidente da República que disse que todos tem caixa 2, mas o nosso partido não tem. Para todos aqueles contratos que forem lesivos ao povo de SP será igual na Bolívia, propriedade do povo boliviano, então serão propriedade do povo paulista. Se não eliminarmos pelos menos tentaremos baixar os preços, vamos rever estes contratos com carinho e vamos refazer estes contratos.

(02:05:23) Pedro Viviani -PMN: Guilherme, sou de Poá, que é um paraíso fiscal, há bastante empresas instaladas lá que tem rendido R$ 20 milhões para a cidade, mas não sou a favor desta guerra fiscal. Vamos combater isso, o Estado de SP perde muito. Temos que ter arrecadação de impostos em cima da indústria. Temos que combater a guerra fiscal predatória desleal de outros Estados, porque não temos senadores defendendo em Brasília nem deputados fiscalizando e nem governo com firmeza. Pretendemos ser antipáticos e chatos para defender os interesses do Estado de SP, vamos entrar firme para combater e denunciar, pois não é possível que percamos o que perdemos nos últimos anos, ou seja 1,8 do PIB de SP. Os outros Estados tem que se desenvolver pelo trabalho e suor assim como SP fez desde a década de 20 que puxou o Brasil como uma locomotiva.

(02:06:40) Pedro Viviani -PMN: Quero pedir aos internautas que me ajudem, pois essa é uma luta inglória, o tempo que temos para fazer a campanha não é possível para desenvolver um trabalho, internautas, peçam votos para partido número 33. Ajudemos por meio da Internet para elevar esta campanha igual aos de outros que não podemos ter. Não vamos desistir.

(02:07:02) Geovanna/UOL: O Bate-papo UOL agradece a presença do candidato Pedro Viviani e de todos os internautas. Até o próximo!