Borá (SP)

Na cidade com menos habitantes do Brasil, vereador é eleito com diferença de um voto

Com 805 moradores, Borá leva disputa por votos para dentro de casa

Na cidade com menor número de habitantes no Brasil, 805 de acordo com o Censo 2010 do IBGE, é difícil encontrar alguém que não tenha um integrante da família candidato. Com poucas alternativas de emprego no município, o cargo de vereador é cobiçado e pode garantir um reforço no orçamento.

Ana Paula Rocha, Bárbara Therrie e Yuri Catelli

Do UOL, em Borá (SP)

Apontada pelo Censo 2010 como a cidade com menor número de habitantes no país (são apenas 805 moradores), Borá (487 km de São Paulo) tem dois candidatos a prefeito. Um deles concorre à reeleição, Luiz Carlos Rodrigues (PT), mais conhecido como Luiz do Açougue. O outro, é Nelson Celestino Teixeira (PSDB), que já foi prefeito da cidade por quatro vezes. Outros 38 candidatos concorrem a 9 cadeiras do Legislativo. A disputa contava com 40 candidatos, mas duas pessoas renunciaram.

O fato de a cidade ter poucos habitantes não significa que ser eleito em Borá seja mais fácil do que em municípios com populações maiores. Nas eleições de 2008, por exemplo, o quarto vereador mais votado teve apenas um voto a mais que o quinto colocado. Foram 36 contra 35. O mesmo ocorreu entre o sexto e o sétimo mais votados: 33 contra 32.

O UOL visitou Borá dentro do projeto UOL pelo Brasil --série de reportagens que percorre municípios em todos os Estados do Brasil durante a campanha eleitoral deste ano.

 

“Eu ganhei por um voto do meu suplente: tive 32, e ele, 31. Se no dia da eleição eu brigo com a minha esposa, eu empatava”, brinca Robson Dolney, vereador e candidato à reeleição pelo PSB. Após a visita do UOL, Dolney teve seu mandato cassado por infidelidade partidária, mas declarou que irá recorrer junto ao TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral). A decisão, porém, não interfere na candidatura dele.

 

  • 3981
  • true
  • http://eleicoes.uol.com.br/2012/enquetes/2012/09/06/o-que-voce-faria-se-tivesse-mais-de-um-familiar-se-candidatando-a-vereador-da-cidade-onde-vota.js

 

 

Além da disputa acirrada, há critérios da legislação eleitoral que fazem com que, mesmo que tenha uma quantidade suficiente de votos, o candidato não possa assumir a vaga. Um deles, por exemplo, é o quociente eleitoral, que define quais partidos terão mais cadeiras no Legislativo. Outro exemplo é o artigo 110 do Código Eleitoral, segundo o qual quando dois candidatos têm a mesma quantidade de votos, quem assume a vaga é o mais velho.

Para garantir votos, a estratégia de campanha dos candidatos acontece como na maioria das cidades pequenas: de porta em porta. “Aqui a campanha tem que ser na sola do sapato. É na unha, como debulhar milho”, explica o ex-prefeito Nelson Teixeira.

Em Borá existem mais eleitores do que habitantes: são 1.071 votantes. Moradores dizem acreditar que algumas pessoas tenham se mudado da cidade, mas não tenham transferido seus títulos. A cidade, porém, corre o risco de perder o "título" de cidade com o menor número de moradores. As últimas estimativas populacionais do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), divulgadas em 31 de agosto, mostram que o município mineiro de Serra da Saudade empatou com Borá, cada um teria 807 habitantes.

Em algumas casas e famílias, há mais de um candidato. É o caso de Marcia Luciane Silva dos Santos, candidata a vereadora pelo PTB, que disputa com o pai, Carlinho Zica (PSB), com o irmão, Angelo Aparecido da Silva (PSDB), e com o marido, que concorre com o nome de Paulo Mecânico (PSB). A aposentada Aparecida Merci, mãe de Marcia e de Angelo, brinca que terá que fazer um sorteio para decidir de quem será seu voto.

Aqui a campanha tem que ser na sola do sapato. É na unha, que nem debulhar milho

Ex-prefeito Nelson Teixeira

Sebastião Carlos Pietro (PMDB), o Carlinhos Dengue, tenta se reeleger vereador e, há poucos dias, tinha a mulher dele, Vanda Paulino Pietro, como uma das candidatas ao Legislativo pelo mesmo partido. Ela renunciou em 3 de setembro. Entretanto, quando concedeu entrevista ao UOL, no início de agosto, Carlinhos Dengue já indicava que a mulher não seria uma concorrente de fato. Segundo ele, Vanda entrou na disputa apenas para que fosse preenchida a cota de gêneros prevista em lei. Esta legislação exige que todo partido ou coligação reserve o mínimo de 30% e o máximo de 70% para candidaturas de cada sexo. “A gente precisava de uma quantidade de mulheres para se candidatar em cada partido, aí resolvi chamar minha mulher para me dar esse apoio”, conta.

Fundador de Borá fugiu da política temendo ser passado para trás por ter pouco estudo

Manoel Caldas, 96, não entende o porquê de repórteres o procurarem. Desde que o IBGE anunciou a pequena e bucólica Borá como a menor cidade brasileira em número de habitantes, o município passou a chamar atenção. E quem quiser conhecer Borá de verdade precisa passar na casa de Caldas, que vive em uma residência simples na beira da estrada BOR-011, que liga a cidade ao município de Paraguaçu Paulista. Ele sempre morou no local.

Junto ao escrivão Manoel Gallo, em 1964, ele procurou o então governador do Estado de São Paulo, Ademar de Barros, para questionar o que era necessário para que a comunidade onde vivia, área rural de Paraguaçu Paulista, se emancipasse. De volta, fizeram o que lhes foi informado: um plebiscito que resultou na criação de Borá.

Caldas contrariou o tio, um político da cidade vizinha que temia com isso perder eleitores, e fundou com o escrivão o que hoje é Borá. Embora fosse provável que se elegesse a cargos públicos com facilidade, ele diz que nunca quis se candidatar a prefeito. Foi vice por apenas uma vez. O motivo? Medo de ser passado para trás por ter pouco estudo.

Veja fotos de Borá (SP)
Veja Álbum de fotos

Com poucas oportunidades de trabalho, moradores de Borá acumulam funções

Se a maioria das cidades pequenas sofre, em geral, por ter poucas oportunidades de trabalho para oferecer a seus moradores, Borá não fugiria da regra. De acordo com o IBGE, o município tem 597 pessoas com 18 anos ou mais, ou seja, aptos a trabalhar com carteira assinada (excetuando os adolescentes que poderiam trabalhar como menores aprendizes).

As principais alternativas de trabalho no município estão na Usina Ibéria, que contrata 190 moradores, e a prefeitura, que emprega 110. O comércio também é escasso. Há apenas uma farmácia, um açougue, uma padaria, três bares, uma lotérica, dois pequenos mercados, um posto de gasolina, uma fábrica e dois trailers que vendem lanches.

Como há poucas oportunidades de trabalho, muitos moradores acumulam funções. Marcia Luciane Silva dos Santos trabalha como auxiliar de serviços diversos no posto de saúde de Borá, tem um trailer para venda de lanches e é candidata à vereadora pelo PTB. O marido dela também acumula funções. Ele a ajuda no trailer e conserta carros em uma oficina da cidade, o que rendeu o nome que está usando na candidatura a vereador pelo PSB: Paulo Mecânico.

Cristiane Cazarin trabalha como analista de cargos e salários na usina e também é candidata à vereadora pelo PV. Questionada se a busca por exercer mais de uma função pode limitar ainda mais a quantidade de oportunidades que há na cidade, ela diz que não, porque a usina gera muitos postos de trabalho. Ela afirma ainda que conseguirá conciliar os dois trabalhos caso seja eleita.

O diretor administrativo da Usina Ibéria, Marcelo Toledo, conta que além de haver poucos moradores em Borá, há falta de mão de obra qualificada para trabalhar na empresa. “Nosso desejo é contarmos cada vez mais com colaboradores de Borá. No entanto, a falta de qualificação faz com que muitos dos nossos funcionários sejam de cidades vizinhas”, lamenta.

Diário de Bordo

  • Yuri Catelli/UOL

    Leia mais curiosidades e histórias das viagens; conheça o projeto UOL pelo Brasil

Título ameaçado

  • Adriana de Oliveira/Prefeitura de Serra da Saudade

    O título de cidade com menor número de habitantes no Brasil, que Borá ostenta desde a divulgação do Censo 2010 do IBGE, está ameaçado. As últimas estimativas populacionais do Instituto, divulgadas em 31 de agosto, apontam que Borá e o município mineiro de Serra da Saudade (foto) estão empatados, cada um com 807 habitantes.

Borá tem 22 ruas e só uma farmácia; veja curiosidades

Borá espera por construção de casas da CDHU

  • Yuri Catelli/UOL

    A construção de 101 casas da CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo) em Borá, que começou em 2006, continua inacabada. Segundo a companhia, a empresa contratada abandonou a construção das casas porque estava sendo investigada pela “Operação Pomar”, que averiguava fraudes em licitações de prefeituras na região de Presidente Prudente.

Me adiciona aí?

  • Yuri Catelli/UOL

    O acesso à internet sem fio é oferecido gratuitamente em toda Borá. Para usar o serviço é preciso fazer um cadastro na prefeitura, o que gera uma senha para permitir o acesso.

  • Guilherme Teixeira, usuário frequente da rede social Facebook, tem mais pessoas adicionadas na sua lista de amigos do que a quantidade de moradores de Borá. No dia em que a reportagem do UOL conversou com ele, eram 1.253. Em 2011 uma marca de drops fez uma ação de marketing na cidade para incentivar o maior número possível de moradores a fazerem cadastro no Facebook. Igor Henrique Favato Bregolato, monitor da sala do Acessa SP, participou da organização da ação em Borá e diz que 90% dos moradores com mais de 13 anos aderiram.


  • Cidade: Borá
    Estado: São Paulo
    Distância da capital: 487 km
    População: 805 (censo 2010)
    PIB per capita: R$ 60.134,66
    Área (em km2): 118,450
    Número de eleitores: 1.071
    Data de fundação: 28 de fevereiro de 1964

 

prefeito


Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos